segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Quem sou eu afinal? 
Sempre fui aquele tipo de pessoa reservada, de poucos e bons amigos. Nunca cheguei a lugar algum querendo ser o centro das atenções, aliás, atenção é uma coisa que me assombra. 
Eu era a garota do fundão na escola, e isso ainda acontece na faculdade. Sou de poucas palavras, prefiro guardar o que penso pra mim, e isso é ótimo as vezes porque rende bons textos. 
Nunca fui falante, exibicionista, apesar de as vezes alterar a voz tremula a ponto de ela sair esganiçada como um grito sufocado, mas isso só nas conversas boas, com pessoas que sei que vão rir da voz de taquara rachada. 
Sempre desejei passar despercebida em todos os lugares. Só fiz questão de chamar a atenção daqueles que mereciam o meu melhor. Para os outros, sempre esbanjei a minha boa educação, com um "oi", um "bom dia" ou um "boa noite". Afinal, educação não é falsidade e todo mundo gosta. Mas apesar de sempre tentar manter o equilíbrio com a boa educação que me foi dada, as pessoas sempre tomaram suas próprias conclusões. 
Fui do tipo de garota que passou anos ouvindo "nossa, antes de te conhecer eu achava que você era metida". E tudo isso, só por não sair por ai "dando bom dia a cavalo". 
Que me desculpem os ousados, mas prefiro mostrar quem realmente sou para aqueles que merecem. Aqueles que irão entender uma cara feia aqui ou ali, um revirar de olhos ou uma bufada de raiva as vezes por ter ouvido alguma coisa muito idiota. 
Prefiro esbanjar sorrisos pra quem me sorri de volta, pra quem chega em mim e fala qual o problema, pra quem me puxa a orelha ou me dá colo quando preciso. Prefiro contar minha vida, compartilhar meus inúmeros humores pra quem está disposto a ouvir e aturar. 
O resto? Ah, o resto me julga falsa, antissocial, antipática, sem graça, chata, falsa... E apesar disso sempre ter me incomodado, e por vezes eu ter me desdobrado pra ser quem queriam que eu fosse, eu aprendi que somos quem somos e que nunca vamos agradar todo mundo. 
Tenho as minhas peculiaridades, meus risos frouxos, minha voz esganiçada, meu silencio, minha timidez, minhas bochechas coradas, meu revirar de olhos e com certeza a minha educação. Eu sou assim, me descobri assim e não vou mudar porque fulano disse pra ciclano que beltrano falou que não gostou daquele dia que eu fiz cara de tédio em uma conversa chata, ou porque fulano acha que sou chata pra estar no meio do "grupo". 
Me desculpem queridos, eu sou assim e não abaixo a cabeça pra quem pensa que tem o direito de me moldar conforme quer. 
Se você não tem a capacidade de me aceitar com todos meus defeitos, me recuso a lhe mostrar minhas qualidades. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário