sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

À meia noite do dia primeiro de janeiro de 2014, eu estava sozinha na varanda assistindo a queima de fogos com um vazio no peito que ardia. Decidi não criar expectativas pelo ano que estava por vir, optei por não fazer planos e nem promessas. 2014 seria apenas mais um ano e ponto. Logo no primeiro mês tive uma surpresa, no caso dessa, uma bem ruim. Em um dia que já trazia lembranças ruins, a família perdeu o chão. Os dias passaram, e as coisas fluíram. O ano passou como se os meses fossem décadas. Sorri, chorei, amadureci, conheci pessoas que julguei serem importantes, e posso dizer que algumas foram só ridículos obstáculos que fico feliz em ter deixado pra trás, e com orgulho afirmo que algumas poucas eu levarei por muito tempo. Eu realizei sonhos, desisti do que foi necessário, coloquei um ponto final em todas as coisas não resolvidas. Até o coração sofreu mudanças, pra acompanhar o cabelo novo e os novos motivos pra sorrir. Dancei conforme a musica. Fui amiga, filha, irmã, adulta, menina, medrosa, otimista, guerreira, e até mal criada. Descobri um lado meu que não conhecia. Me cansei, tive noites mal dormidas, viajei, e viajei muito. Curti praia, piscina, interior e encarei a cidade grande. Me ajoelhei aos pés do Mestre pra pedir socorro, tive insonia por preocupação e também por estar empolgada demais. Amei. Amei a mim mesma, amei minha família, amei meus amigos, amei minha Nina, amei a Deus, amei a natureza. Mas também tive meus momentos de raiva. Odiei estar só, odiei ver pessoas que amo chorando, odiei chegar atrasada, odiei perder aquela festa, e até chorar por quem não devia. Em 2014 eu vivi e sobrevivi. Me libertei de algumas jaulas em que eu mesma me mantinha presa por segurança, ou acomodação. Tive as minhas muitas guerras interiores, e com muito orgulho digo que venci cada uma delas. Abracei quem estava sentindo falta, matei a saudade, e me despedi querendo ficar mais um pouco. O ano acabou, sem deixar saudade, mas com alguns marcos, e algumas histórias boas pra contar para os netos daqui alguns muitos anos. 
Que 2015 supere. Que venha carregado de surpresas e bençãos, e que preencha todas as lacunas que 2014 não deu conta. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário