terça-feira, 20 de janeiro de 2015

A gente descobre que um cupido nos acertou em cheio, quando colocamos a frente a felicidade do outro, e é ainda mais certeiro quando acordamos e dormimos com um desejo enorme de fazer o outro feliz. Podemos passar uma vida inteira sendo atingidos de raspão. Deduzimos que paixões são amores eternos e nos confundimos com alguns "certos e errados". Mas quando é realmente certo, tudo em volta conspira a favor. Quando é certo, as cores ganham vida, o ar fica leve, os amigos comemoram, o céu sorri pra você. Quando é certo o coração dispara, as bochechas coram, as pernas falham, a pele arrepia. Quando é realmente certo a gente conta os milésimos de segundos pra estar perto, e só estar perto parece nunca ser suficiente. Quando é certo a gente não faz juras, nem promessas, a gente planeja, de mãos dadas, com fé, com orientação Divina. Quando é certo a gente briga, vira a cara, sente ciúmes, pra depois pedir uma pausa e dar beijinho pra fazer as pazes. Quando a flecha é fincada no peito com amor, o coração não sangra, não chora, não sente dor. A gente sente o corpo todo anestesiado e curado de toda escuridão que algum dia nos habitou. Quando é amor, é diferente, é inexplicável, não da pra medir em palavras. Quando é amor, a gente se comunica por olhares, por sorrisos, por toque, por saudade. Quando é de verdade, a maré empurra a gente pra praia, onde a terra é firme, só pra mostrar que o que sentimos também é.



Nenhum comentário:

Postar um comentário