domingo, 21 de setembro de 2014

"Eu tenho medo de ser esquecido." Entre todas as frases inspiradoras de um dos meus livros preferidos, essa é a que mais mexe comigo. Eu sou dessas pessoas que sonha em fazer algo diferente no mundo. Que quer ser reconhecida, que quer ter um talento brilhante, que quer fazer a diferença. E sim, eu tenho medo de ser esquecida. 
Tenho medo de ser esquecida porque sinto que sou simples demais, que sou comum. Tenho medo de ser esquecida porque nunca me acho suficientemente boa pra nada e ninguém. Tenho medo de ser esquecida por ainda não ter encontrado meu lugar no mundo, por não ter um dom. Eu tenho medo de ser esquecida porque também tenho medo de ficar sozinha. Tenho vontade de chorar horrores só de imaginar que posso estar sozinha, morando na casa dos meus pais com uns 30 cachorros daqui a 20 anos. E sim, isso parece engraçado, porque é um medo ridículo. Como Hazel diz para o Gus "vai chegar um dia em que não vai sobrar nenhum ser humano sequer para lembrar que alguém já existiu ou que nossa espécie fez qualquer coisa nesse mundo" e eu sei disso, sei mesmo, mas nessa circunstancia eu responderia a ela que pra mim não importa esse determinado dia, o que importa é o que vou viver. Eu não quero ser esquecida enquanto estiver viva. Não quero que as pessoas vá embora da minha vida sem ao menos uma lembrança, uma coisa marcante, um detalhe que quando ela ver, ler, sentir ou ouvir se lembre de mim. Tenho medo de ser esquecida, porque quero que sintam saudade de mim, quero que digam isso, que provem isso. Tenho um medo absurdo de ser um zero a esquerda, não só na minha vida, mas na vida das pessoas que são ou foram de alguma forma importante pra mim. 
Eu quero ser lembrada, de manha, de tarde e de noite. Quero ser lembrada quando alguém ver um livro que eu gosto, quero ser lembrada quando alguém ouvir uma musica, quero ser lembrada quando alguém sentir o meu perfume em outra pessoa, quero ser lembrada quando alguém assistir algum filme que eu gosto. Quero ser lembrada quando alguém falar de amor. Quero ser lembrada por tentar ser diferente apesar de ser tão comum. Quero ser lembrada por ter uma risada esquisita, ou até mesmo por ser estrábica. Quero ser lembrada por qualquer detalhezinho que me faça unica pra alguém. Porque ser esquecido é ruim demais. Ser esquecido é castigo pra uma vida toda. 







Sweet beauty

Nenhum comentário:

Postar um comentário