sexta-feira, 18 de abril de 2014

Hoje pela primeira vez em meses admiti pra mim uma verdade que estava trancada a sete chaves em algum lugar do meu subconsciente. Muitas vezes nós escondemos a verdade de nós mesmos pra evitar a dor e deixa o tempo se encarregar de tudo. Foi o que aconteceu no meu caso. Achei melhor acreditar em algumas mentiras nos últimos meses, menos doloroso... Pois bem, como nada pode ser mantido escondido para sempre todas as minhas verdades tiraram o dia para se desenterrar, e em minutos me vi sentada na beira da escada olhando para o nada e pensando se tudo o que eu tinha vivido ao seu lado foi realmente verdade. Eu tenho tantas teses sobre o que é o amor e como as pessoas que amam devem agir, que nem me dou conta que me contradigo vez ou outra sobre você. Não posso negar, enquanto estivemos juntos eu senti que você me amava, eu tive certeza absoluta disso por muito tempo. Quando me pego pensando em nós dois juntos lembro daquele casal lá atrás, de sorrisos bobos e abraços confortantes. Lembro do companheirismo, da amizade, do carinho, da lealdade, dos momentos tristes em que me deu força ou vice e versa. Mas se paro pra pensar no nosso ultimo mês juntos tudo isso desaparece como em um passe de magicas. Tudo o que consigo ver é frieza, medo, desamor. Não eramos mais amigos, nem companheiros, não existia carinho... Não existia nada. E isso me faz repensar minhas teses sobre o que é amor. Porque não me canso de dizer que você me amou até o ultimo minuto enquanto estávamos juntos, mas tudo prova o contrario. Demorei pra revelar essa verdade pra mim mesma, confesso que sim. Mas foi por medo. Ainda era cedo demais pra descobrir que não existia mais amor, era doloroso demais pensar que você um dia, lá no nosso recente passado deixou de me amar, ou até mesmo que nunca me amou. Não é que não doa agora, porque dói, e dói mais do que eu pensei, mas se for pra continuar seguindo em frente deixando os pesos para trás quero fazer isso direito. Não quero levar bagagens desnecessárias pra onde eu vou. Não quero magoa nem rancor. Quero pensar em nós e só lembrar do que foi bom... O desamor? Deixa ele esquecido no meio do caminho. Não preciso de nada que foi ruim... Quando se trata de nós dois, eu prefiro apenas somar pontos, nunca subtrair. 


- Karyne Santiago.


Girl

Nenhum comentário:

Postar um comentário