sábado, 15 de março de 2014

Desamor: Cavaleiro de armadura reluzente.

Hoje eu me senti a garotinha indefesa, coisa que já não acontecia há muito tempo.
Me senti sozinha, desamparada, com medo e com uma tristeza no peito que me tirou o ar.
Me encolhi na cama como um bebe na barriga da mãe e me silenciei. 
Ninguem estava por perto, absolutamente ninguém. E então, senti falta dele. Mas não foi um "sentir falta" comum... Não foi aquela aquela saudade chata que bate vez ou outra, não foi carência... Eu senti falta da proteção, do amparo que ele me dava. Senti falta de poder abraça-lo e sentir que nada no mundo poderia me abalar porque ele era meu cavaleiro de armadura reluzente, meu guerreiro, meu leão. 
Senti falta de sentir a segurança que só ele conseguia me dar.
Confesso que por vezes peguei o celular e pensei em ligar pedindo por socorro, mas desisti, pois sabia que o socorro não viria. Sabia que a reação dele seria verificar o número e deixar o celular de lado sem nenhuma expressão, sem se importar... E isso me magoaria ainda mais.
Então permaneci calada, lembrando de todas as vezes que chorei em seus braços, que confidenciei os meus piores segredos e que lhes contei sobre os meus medos mais absurdos. Só ele sabia de muitas coisas e só ele poderia me abraçar forte e me proteger de tudo e qualquer coisa. E dói pra caralho saber que estarei desprotegida, pois meu cavaleiro de armadura reluzente partiu em busca de outra donzela para salvar.
Estou com medo, assustada e sozinha... Quebrada pela milésima vez... E dessa vez, ele não virá me salvar.


- Karyne Santiago.


(1) Fotos do mural

Nenhum comentário:

Postar um comentário