quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Sabe, a ficha ainda não caiu. Eu pareço estar vivendo num pesadelo, daqueles de filmes que você não consegue acordar. A diferença, é que o vilão já me feriu, mas a morte não chega.
Sei que quem ler, achará isso um tanto dramático, e admito, eu sou a rainha do drama. Tudo pra mim excede os limites. Acho até que as coisas da minha vida tem ordens para ser elevadas ao cubo. Mas sempre fui assim, continuo sendo e acho que serei até o ultimo dia da minha vida... Voltando ao assunto, sobre a morte, não estou falando da morte comum, daquela em que perdemos os sentidos, o coração para e o cérebro não manda mais sinais. Me referi a morte de sentimentos.
Fui ferida quando amei, inúmeras vezes acredite. Tentaram milhares de vezes me fazer descrer do amor. Parentes, amigos, namorados... Todos que passaram pela minha vida tentaram me provar que o amor é um sentimento inútil, que faz você feliz e depois te faz sofrer como se a sua vida tivesse que acabar por ali, como se nada mais valesse a pena. Assumo que falharam nas tentativas, porém é com dor no coração que digo isso. Acredito no amor, sem querer acreditar. De fato ele nos faz feliz, nos realiza, nos faz flutuar como adolescentes loucos e sem rumo, independente da nossa idade... Mas como tudo na vida, ele acaba e quando acaba, meu amigo, ele causa a pior dor do mundo. Sim, a pior, porque pra esse sentimento, nenhum médico no mundo foi capaz de inventar um analgésico, e só o tempo pra dar um jeito... Repare que eu disse "dar um jeito", pois é, porque para a dor do amor não existe cura. Queria eu ter deixado de crer nesse sentimento.
Também já machucaram a minha esperança. Mas como o ditado diz "a esperança é a ultima que morre", porem acredito que ela não morra nunca. Anda sempre de mãos dadas com o amor e assim como ele, nos faz feliz, nos faz bem, nos faz acreditar em coisas impossíveis. E quando nada do que você crê acontece, você se decepciona, se entristece e mesmo achando que nada daquilo dará certo, ainda tem vestígios de esperança no seu coração. E na minha opinião isso é o que mais nos fere.
Eu poderia continuar descrevendo todos os sentimentos que tenho e que me fere, porém esses dois já estão de bom tamanho para demonstrar a minha imensa tristeza por ter perdido coisas tão importantes nesses 10 meses do ano. E a perda mais recente foi a de um sonho...
Desconheço a opinião de todos, e não quero conhecer, pois esse texto é um tanto particular.
Mas ao começa-lo, estava 'vomitando' tudo o que senti que deveria falar como FÃ. Até porque, sobre o meu 'eu', já falei demais. Mas como fã, hoje o meu coração está dolorido e pequenino.
Acordei pela manha sabendo que mais um sonho foi jogado fora, e que mesmo que reste alguma coisa da minha esperança, será apenas esperança e não realidade.
A meses não sentia essa dor, a meses vinha me recuperando de um tombo e mal me levantei e cai de novo.
É difícil olhar pra trás e ver toda uma historia que hoje está acabada. É difícil aceitar um fim assim, sem porque, sem uma explicação plausível pra toda uma situação... É difícil saber que você se importou, se deu ao máximo, foi fã pra tudo e mais um pouco, pra pessoas que ao menos tiveram a consideração de lutar pelo que eles mesmos acreditavam. É difícil conviver com tamanha covardia. Porém, é ainda mais difícil, saber que tudo está acabado, e que você não tem mais por quem lutar.
Fui ferida por pessoas que nem me conhecem... Fui ferida por pessoas que me fizeram acreditar em sonhos... Fui ferida por pessoas que sem saber me colocaram no caminho certo... E sei que não fui ferida sozinha... E mesmo ferida, todos os dias levantarei a minha bandeira de fã... Porque assim como o amor e a esperança... Ser fã é uma coisa que não acaba. 


Vocês serão eternizados no meu coração, como Marido, Melhores amigos e Cunhados... Obrigada por tudo, mesmo que esse tudo pra vocês não seja nada.


- Jonas Brothers, Karyne Santiago.








Nenhum comentário:

Postar um comentário